For a better experience on MUBI, update your browser.
Desculpe, este especial não está disponível no seu país
Veja o que está sendo reproduzido

Voilà Varda

Especial MUBI

É sempre bom relembrar o trabalho da prestigiada Agnès Varda, cuja vitalidade e conhecimento são sempre tão inspiradores. Mas sobretudo agora que a Academia finalmente decidiu reconhecer sua luminosa carreira, e com seu novo (e maravilhoso!) filme Faces, Places tendo chegado aos cinemas no início de 2018, relembramos dois dos documentários mais emblemáticos dos anos 70 e 80, testemunhos de sua inteligência, bom humor e toque humano característicos. E, naturalmente, sua curiosidade possessa, sempre palpável onde quer que ela esteja – a 10 mil km de casa ou à sua porta.

As Praias de Agnès

Agnès Varda França, 2008

No que se acredita ser seu último filme, Agnès Varda, a amada “madrinha” da Nouvelle Vague, provou que o envelhecimento é algo a ser celebrado. Um retrato caloroso e agridoce de uma vida bem vivida.

Os Catadores e Eu

Agnès Varda França, 2000

Sempre inovadora, Agnès Varda cria o que é, basicamente, um dos melhores documentários de todos os tempos: um que tira proveito de sua própria presença e personalidade, sua filmagem ininterrupta, sua constante busca por matéria-prima.

Jacquot de Nantes

Agnès Varda França, 1991

O tributo fascinante e formalmente atrevido de Agnès Varda ao seu parceiro de 32 anos, Jacques Demy, relata suas influências e inspirações, seu início como artista e constrói sua própria relação intertextual (extraconjugal) entre os dois estilos singulares de filmagem de Varda e Demy.

Jane B. por Agnès V.

Agnès Varda França, 1988

A cinematic collaboration between two of the most fabulous of women: French New Wave director Agnès Varda and British singer and actress Jane Birkin. In this marvelous, indescribable film the two cross paths, inspiring each other and us too.

Os Renegados

Agnès Varda França, 1985

Um clássico na filmografia de Varda, este filme é tão inflexível em sua representação de uma mulher que não se ajusta quanto na ousada estrutura da história. Vencedor do Leão de Ouro em Veneza, é um testemunho do profundo humanismo da diretora e de seu olhar crítico sobre nossos julgamentos sociais.

As Tais Cariátides

Agnès Varda França, 1984

Com sua narração característica e olhar observacional, a falecida Agnès Varda perambulou pelas ruas de Paris para estudar cariátides, as esculturas femininas que embelezam os edifícios da capital. Com poesia, música e anedotas históricas, Varda nos leva a um agradável passeio arquitetônico.

O Amor dos Leões

Agnès Varda Estados Unidos, 1969

Indisponível durante muito tempo, o premiado Lions Love é uma análise histórica da América em 1968: uma meditação sobre liberdade, fantasia, decadência e o Verão do Amor que deu errado. MUBI tem o orgulho de apresentar este clássico cult alusivo aos anos 60, em homenagem à nossa querida Agnès Varda.

Os Panteras Negras

Agnès Varda França, 1968

A documentarista e ativista cinematográfica Agnès Varda entrou em um foco de tensão dos anos 60 e produziu um curta sóbrio, provocativo e histórico, ainda relevante hoje em dia. Filmado durante protestos contra o julgamento de Huey Newton, Black Panthers mostra os discursos dos líderes do movimento.

As Duas Faces da Felicidade

Agnès Varda França, 1965

O colorido experimento intelectual de Agnès Varda é um rompimento completo da formação da família unida: o relacionamento unilateral de um casal e sua vida aparentemente perfeita juntos.

Tio Yanco

Agnès Varda França, 1967

Além de seus longas premiados, a incrível cineasta francesa Agnès Varda foi uma documentarista extremamente prolífica. Aqui, ela aponta a câmera para o seu distante tio americano para criar um afetuoso curta-metragem ambientado nos “subúrbios aquáticos de San Francisco”.

Saudações, Cubanos!

Agnès Varda França, 1964

O ensaio fotográfico documental de 1963 da “madrinha” da Nouvelle vague, Agnès Varda, é um retrato divertido da ilha de Cuba através de seu povo, sua música, mas mais importante, das reformas da revolução recente. Um documento histórico informativo como um filme inventivo e brilhante.

Cléo das 5 às 7

Agnès Varda França, 1962

O filme mais conhecido do único “membro” feminino da New Wave francesa — aliás, ela continuou com o movimento e superou a “marca” — a sublime obra-prima de Agnès Varda trouxe uma perspectiva feminina essencial para as ruas de Paris muitas vezes filmadas de um ponto de vista masculino.

A Ópera-Mouffe

Agnès Varda França, 1958

Este curta-metragem é uma celebração excêntrica de amor sensual e um retrato afetuoso de uma rua de Paris. Ao justapor imagens de rostos e vitrines com as de um casal abraçado, Agnès Varda cria um contraste delicado entre um romance pessoal e a vida coletiva do bairro.

La Pointe-Courte

Agnès Varda França, 1955

Feito de forma independente, Agnès Varda tinha apenas 26 anos quando escreveu e dirigiu este drama de relacionamento inflexível e precoce, abordando vários temas que mais tarde viria a desenvolver em As Duas Faces da Felicidade. Uma primeira impressão inspiradora de uma cineasta agora lendária.

A vida é curta demais para filmes ruins

Todos os dias nós escolhemos a dedo um novo filme maravilhoso e você tem um mês inteiro para assisti-lo. Por isso há sempre 30 filmes perfeitamente escolhidos para descobrir.